Como a Síndrome de Burnout pode atingir os professores, com Gisele Levy

Como a Síndrome de Burnout pode atingir os professores, com Gisele Levy

Entrevista concedida ao site “Educação Pública”. Para ler a entrevista na íntegra, acesse o site: http://www.educacaopublica.rj.gov.br/jornal/materias/0420.html

 

Como o livro tem a ver com suas pesquisas para o mestrado e o doutorado?

A idéia de produzir este livro teve origem na minha dissertação de mestrado, Análise do índice de Burnout em Professores da Rede Pública de Ensino, com a orientação do professor Francisco de Paula Nunes Sobrinho, defendida em 2006. Esse estudo obteve resultados significativos. Dos participantes envolvidos na pesquisa, 75% deles apresentaram o quadro de Burnout; dentre estes, 85% sofriam com a síndrome devido ao sentimento de ameaça em sala de aula. Esses resultados alarmantes - e os das pesquisas feitas em todo o mundo - me estimularam a prosseguir meus estudos acadêmicos nesse campo, no sentido de propor uma forma de enfrentamento da síndrome, mas destinada aos professores. A tese foi intitulada Técnicas de enfrentamento da Síndrome de Burnout em profissionais de educação.

O seu olhar, então, está dirigido aos professores?

Sim. A obra aborda a Síndrome de Burnout tendo como foco os profissionais do magistério. Os seis capítulos do livro refletem nosso bem-sucedido esforço de pesquisa, de reflexão e de replicação de conhecimentos que favorecem a humanização do posto de trabalho docente. Revisamos questões significativas, como a legislação sobre a síndrome, as técnicas de enfrentamento, critérios de avaliação de sintomas e instrumentos destinados à medição do índice de Burnout. Para completar, o último capítulo é destinado diretamente aos professores, apontando sugestões práticas para prevenção e enfrentamento da síndrome.

Vocês conversaram com outras categorias profissionais para preparar o livro?

Na verdade, a obra teve a participação de profissionais como, psicólogos e médicos. Além disso, foi revisado um número bem significativo de pesquisas sobre o tema, que vem afetando de forma expressiva profissionais de diversas áreas. Nesse sentido, é bom assinalar que alguns especialistas, entre os quais me incluo, afirmam que o Burnout é um tipo de estresse ocupacional, que tem relação íntima com as profissões assistenciais, aquelas que oferecem cuidado ao outro.

Quais são os sintomas básicos da síndrome?

Os sintomas englobam aspectos físicos, psicológicos e comportamentais. Alguns deles são, entre os de caráter físico: cefaléias freqüentes, exaustão física, insônia e dores serviçais; dentre os psicológicos, destacam-se: dificuldade de atenção, baixa concentração, impaciência e baixa autoestima; entre os comportamentais ressaltamos: Isolamento, aumento da agressividade, perda de iniciativa e dificuldade de assimilação de mudanças.

Como diferenciar essa síndrome de um estresse comum?

É preciso fazer um alerta sobre esse assunto. Na verdade, o estresse é uma função natural do nosso organismo; sem ele nós não sobreviveríamos, por exemplo, a uma alteração climática. O problema ocorre quando esse mecanismo psicofisiológico é disparado inúmeras vezes, sobrecarregando o nosso corpo e, em consequência disso, causando doenças devido à liberação de algumas substâncias – entre elas o cortisol. A diferença entre o estresse e o Burnout é simples. Esta síndrome é um tipo de estresse crônico ocupacional, que se desenvolve a partir de situações pertinentes ao ambiente de trabalho.

Por que professores são vítimas frequentes dessa síndrome? Que situações em sala de aula podem contribuir para o surgimento dessa síndrome? E no ambiente escolar?

Os professores são um alvo fácil para essa síndrome porque são profissionais que trabalham em um tipo de função assistencial, atuando em tempo integral junto a pessoas, necessitando estabelecer vínculos com seu trabalho, colegas, alunos e familiares. E, na medida em que essa relação não se estabelece de forma gratificante, seja por questões salariais, mau comportamento do aluno ou outros tantos fatores, o professor adoece e acaba se afastando de sua profissão. Você sabia que aquele profissional, o mais “apaixonado” pelo seu trabalho, aquele que luta pelos ideais de sua categoria, é o primeiro a sofrer com a síndrome? Isso não é de assustar?

Existe alguma preponderância quanto a sexo ou idade?

Pelas pesquisas que venho analisando até agora, não existe um gênero que tenha predominância na síndrome. Na minha pesquisa, por exemplo, o resultado não foi significativo quanto ao índice de Burnout no gênero feminino. Com relação à faixa etária, no meu estudo ficou claro que os professores com pouca experiência em sala de aula são os mais afetados pelo Burnout. Como os estudos sobre essa síndrome ainda são recentes (tiveram início apenas nos anos 1970) muita coisa ainda será descoberta.

O que o professor pode fazer para tentar evitar o Burnout?

Algumas coisas são básicas. Em primeiro lugar, reconhecer que existe algo de errado com ele e não apenas achar que a profissão docente é um sacerdócio repleto de sofrimento e dor. Além disso, o docente deve ficar alerta aos sintomas da síndrome, prevenir o estresse de seus alunos, cuidar de sua alimentação etc. O ultimo capítulo do livro, Sugestões para o professor prevenir e enfrentar a síndrome de Burnout, aborda exatamente essa temática, oferecendo soluções simples para o combate à síndrome.